Por vezes temos medo de entrar plenamente na dinâmica da comunhão que é o amor. Se nos distraímos, lá nos vem o susto de amar, um pânico interior por estarmos a entregar-nos. Começamos a pensar se não estaremos a confiar demais, ou a contarmo-nos para além do que devíamos. 

 

No fundo temos medo de nos perder, é só isso, porque pensamos que ao entrarmos no dinamismo da comunhão e da partilha, perdemos a nossa liberdade, a nossa originalidade e a nossa unicidade pessoal. Mas não é assim. Pelo contrário, só nos encontramos plenamente e nos realizamos como pessoas livres, conscientes e responsáveis na dinâmica da comunhão amorosa livre dos medos e das fronteiras que eles inventam.

 

O nosso egoísmo e o medo de nos anularmos levam-nos muitas vezes a fecharmo-nos na nossa pequenez. O medo é lugar de uma assoalhada só, uma morada que é um aperto, e quando deixamos que ele nos agarre, toma-nos pela mão e leva-nos para casa dele, para aquele aperto do coração em que nem respirar se consegue em condições. 

 

Por experiências negativas que já tivemos e desilusões, muitas vezes isolamo-nos, convencidos que estamos a proteger-nos e a guardar o controlo da nossa vida. Mas é precisamente o isolamento o que mais nos impede de nos possuirmos e encontrarmos na nossa riqueza mais profunda. A verdade é que nunca estamos tão desprotegidos como quando nos isolamos. 

 

A pessoa só se compreende a si mesma e se possui quando está integrada num mistério da comunhão. Viver é ConViver. Este é o próprio jeito de Deus! Quando dizemos “Santíssima Trindade”, o que estamos a dizer é “Comunhão”. Deus é, em Si mesmo, um Mistério de Comunhão Familiar que se difunde para nós. Ainda não existia o universo com as suas galáxias e belezas, já existia uma Família! No princípio, era o Amor. Por isso, essa será a “palavra” final também da História. 

 

Nascidos neste mistério presidido pelo Amor Familiar de Deus, estamos talhados também para o mesmo: a nossa vocação é realizarmo-nos como imagem e semelhança de Deus, isto é, tornarmo-nos perfeitos no Amor segundo o estilo, a medida e o projecto de Jesus.

 

 

CONVERTE-TE AO AMOR E TERÁS A VIDA ETERNA

 

 

 

 

Calmeiro Matias & Rui Santiago